A produção de abacaxi no anúncio de um arrendamento em Itaboraí (1896)

12/06/2017

Gilciano Menezes Costa

Fonte: A produção de abacaxi no anúncio

de um arrendamento em Itaboraí (1896)

A imagem presente, publicada no jornal “O Itaborahyense”, representa um anúncio de arrendamento de uma propriedade nas proximidades do rio d’ Aldeia. [1] O que chama mais atenção é a produção de abacaxi neste local, mas sobretudo, neste período.

O ano é 1896, o que demonstra que embora a produção de abacaxi tenha se desenvolvido, principalmente, nas três primeiras décadas do século XX, essa fruta já tinha sido introduzida em Itaboraí no final do século XIX.

No século XX, a região em torno da Guanabara, principalmente em sua parte norte e leste, tornou-se uma das principais regiões fruticultoras do país. As principais frutas produzidas eram as laranjas, bananas e os abacaxis. No decorrer da década de 1920, as exportações se desenvolveram ainda mais e foram direcionadas para os portos europeus e platinos [2].

A localização da fruticultura na Baixada da Guanabara assegurava uma exportação imediata aos portos do Rio de Janeiro, o que diminuía a possibilidade de prejuízos com o escoamento da produção, visto que se tratavam de mercadorias cuja conservação era delicada. Além disso, o Rio de Janeiro representava também um valioso mercado consumidor [3].

As plantações de abacaxi, localizavam-se numa área restrita da Baixada da Guanabara, situando-se, sobretudo, em São Gonçalo e nas colinas de Itaboraí. A produção de fruticultura na região foi determinante para que o transporte fluvial tenha sido restabelecido na região de Itambi, distrito de Itaboraí. Foi construído uma packing house, ao lado do canal, para que este fosse utilizado no escoamento da produção que seguia pelo rio Macacu em direção ao Rio de Janeiro [4].

Com a crise de 1929, a produção de fruticultura passa a enfrentar problemas, sendo intensificada com a Segunda Guerra Mundial (1939-1945). Isso porque a continuidade e expansão desses produtos dependiam, principalmente, do mercado internacional. Focando na produção do abacaxi, essa fruta continua sendo produzida em Itaboraí nos anos posteriores ao término da Guerra, porém, nesse período, foi iniciado seu processo de declínio. [5]. 
____________________
Fontes e Bibliografia:

[1] O Itaborahyense, ano II, nº 53, 16 de Fevereiro de 1896. Arrendamento é um contrato pelo qual uma pessoa, dona de bens imóveis, assegura a outrem, mediante contribuição fixa ou reajustável a prazo certo, o uso de uma propriedade.
[2] GEIGER, Pedro Pinchas; SANTOS, Ruth Lira. Notas sobre a evolução da ocupação humana na Baixada Fluminense. RIBGE, ano XVI, nº 3, julho-setembro de 1954.
[3] IDEM.
[4] IDEM.Packing house é uma unidade de beneficiamento. São galpões onde a mercadoria é embalada e processada pós a colheita do produto.
[5] IDEM. 
____________________
Gilciano Menezes Costa é Doutorando em História Social da Cultura na UFF. Professor de História e Filosofia na Rede Estadual em Itaboraí e Professor de História na Rede municipal de Magé. É autor da Dissertação de Mestrado (UFF) intitulada "A escravidão em Itaboraí: Uma vivência às margens do Rio Macacu (1833-1875)". Disponível https://docs.wixstatic.com/ugd/5ada89_277b353622e44d018f55ecdb12aa561a.pdf